0

Cerveja Belga é declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco!

Avalie este post

Recentemente, a Unesco declarou a cultura da cerveja belga como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. Segundo a organização, o título foi conquistado devido a ampla tradição que o país carrega, com mais de 1,5 mil variedades da bebida e diversos festivais populares de consumo.

Quem aprecia bons rótulos artesanais e já provou a cerveja belga, sabe que existem sabores e combinações incríveis no mercado. Porém, vale ressaltar que a distinção não foi dada à bebida em si, mas ao conjunto de manifestações culturais que a sua produção e degustação envolvem.

Dessa forma, a cerveja belga faz parte do cotidiano do país, estando presente em museus, eventos, festas, restaurantes, fábricas, tavernas e, claro, nas famosas cervejarias artesanais. Toda essa tradição pode ser percebida desde a era medieval, quando a escola já era considerada como a mais criativa do mundo.

Cerveja Belga:

Cerveja Belga

De fato, esse reconhecimento como patrimônio da humanidade promete dar ainda mais visibilidade ao país, que enfrenta uma alta concorrência de outros países produtores da bebida, como a Alemanha.

Doce com Cerveja? - Chef com Cerveja

Porém, os diferenciais da Bélgica são bem interessantes: em primeiro lugar, existe a água, que se destaca por ser de ótima qualidade – uma característica vital para a produção de uma boa cerveja.

Além disso, ao contrário das criações alemãs, que levam em conta a Lei da Pureza (ou seja, integram apenas malte, lúpulo e água), a cerveja belga muitas vezes investe em ingredientes diferenciados, como frutas, especiarias e até flores.

Entre as marcas mais consagradas, podemos destacar a Stella Artois, a Leffe e a DeuS. Aqui no Chef com Cerveja, já fizemos um post dando algumas sugestões bem bacanas, como por exemplo a da Delirium Tremens – criada pela cervejaria Huyghe, tem um aroma de malte caramelo e frutas cítricas  (laranja e limão) e também amarelas, como abacaxi e damasco (veja o artigo completo da cerveja belga).

A cerveja belga foi amplamente produzida em mosteiros e abadias, que investiam numa delicada precisão na manipulação das leveduras, nos sabores e ingredientes diversos. No país, produzem até hoje excelentes estilos, tais como Saison, Strong Golden e Blond Ale. Monges das cervejarias trapistas belgas ainda fabricam Dark Strong, Dubbel e Trippel.

O interessante de toda essa história é que nessa cultura centenária sempre existe espaço para o novo, como criações de IPAs especiais (as Belgians IPAs) e muitas outras que poderíamos indicar.

Você também achou a escolha da Unesco muito pertinente? A cultura cervejeira é tão forte no país que estima-se que cada belga beba 81 litros de cerveja por ano o que equivale a 900 milhões de litros da bebida.

Por fim, vale ressaltar que o Patrimônio da Humanidade da Unesco inclui tradições, costumes, costumes, hábitos e técnicas artesanais passadas de geração a geração. E já existem outros patrimônios imateriais na lista da organização, que incluem a rumba cubana, as festas de Ano Novo no Afeganistão, Irã e na Índia, além do tango argentino, a ópera tibetana da China e a procissão do Sangue Sangrado da cidade de Bruges, também na Bélgica.

Se gostou desse post compartilhe com seus amigos, experiente os rótulos que a cerveja belga tem e depois deixe nos comentários o que achou dessa preciosidade de cerveja que agora é Patrimônio da Humanidade ! Fique sempre ligado nas dicas, notícias e receitas sobre o mundo cervejeiro que o Chef com Cerveja traz para você.

Até a próxima!

Navegação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *